Anoitan

“Se sempre há um amanhã, sempre há um anoitã.”

Archive for the ‘Epistemologia’ Category

Franco-Atirador

Posted by adi em dezembro 17, 2009

Abaixo os links para os posts do antigo blog Franco-Atirador, do Lúcio Manfredi, os arquivos estão divididos em duas partes, como segue:

http://www.4shared.com/file/oEd_xq4a/Franco_Atirador_Malprg_-_1__1_.htm

http://www.4shared.com/file/eaqYHhvZ/Franco_Atirador_Malprg_2__2_.htm

Anúncios

Posted in A Experiência Mística, alquimia, Amor, Anarquismo e Política, Arquétipos, Arte, Astrologia, Astrologia hermetica, Budismo, Cabala, ciencia, Cinema, Cristianismo, Epistemologia, Filosofia, FRANCO ATIRADOR, Gnosticismo, Hermetismo, Humor, I Ching, Musica, Não-dualidade, Psicologia, Religião, Sufismo, Taoísmo, Uma Palavra de Nossos Patrocinadores, Umbanda, Xamanismo, Zen Budismo | 33 Comments »

Peter Pan e o Homem de Massa

Posted by Kingmob em fevereiro 12, 2009

O discurso filosófico ocidental oscila entre duas têndencias distintas de pensamento: realismo e nominalismo.

Realismo (em uma de suas variações) é um modo de interpretar a realidade em que as palavras que usamos para nos referirmos aos objetos que se apresentam aos sentidos possuem existência independente em um plano ideal, formal. Assim a palavra “mesa” por ter o poder de referir-se a qualquer mesa que haja no mundo teria um valor inerente, independente das existências particulares de cada mesa. Nós em nosso senso comum não duvidamos que todas as mesas tenham alguma semelhança entre si. Senso comum tem a ver com esta espécie de realismo.

Continue lendo »

Posted in Anarquismo e Política, Arte, Epistemologia, Filosofia | 5 Comments »

A Nova Cruzada

Posted by Filipe Wels em fevereiro 1, 2009

Talvez seja chover no molhado tocar nesse tema de novo, e talvez seja também inconveniente, considerando que esse tipo de debate costuma gerar ataques até bem rancorosos. Mesmo assim, essa é uma questao que penso que merece ser abordada.

A intolerância é historicamente relacionada com as religião institucional. E exemplos dessa intolerância nem precisam ser ditos, já que são conhecidos até pelos bons alunos de quinta série. Mas agora ocorre um movimento contrário. Pelo menos na internet, os religiosos parecem estar mais quietos, apesar de ainda ativos fora dela- pregando dentro de carros de metrô ou batendo na porta de casas de pessoas com a Bíblia na mão. Ao mesmo tempo que ainda há certa militância “evangelizadora” no mundo lá fora, vemos algo bem diferente na internet: sempre que aparece o assunto “religião”em algum fórum de discussões ou sites como o You Tube, o que vemos é que cerca de 80% dos participantes são ateus militantes com um discurso tão unânime que parece combinado. Parece que atacar a religião na internet virou um tipo de hobbie, como jogar video game ou fazer palavras cruzadas, considerando o quanto isso é frequente.

Continue lendo »

Posted in A Experiência Mística, Epistemologia, Gnosticismo, Religião, Uncategorized | 16 Comments »

O aspecto moral da realidade última

Posted by Andrei Puntel em dezembro 9, 2008

A religião, como ferramenta de controle social, é sempre moral. Moral que, apesar de iniciada sobre valores positivos, quase sempre se torna perversa, justificando atrocidades e desmandos.

A maioria dos livres pensadores com um viés espiritualista vem de uma religião oficial e paulatinamente dela se afasta, por adotar uma postura crítica perante atitudes incoerentes e absurdas. Entre seu próprio juiz interno e a autoridade constituída, opta corajosamente por responsabilizar-se por seu destino. No entanto, décadas de vida sob o jugo religioso deixam marcas. A maior delas é buscar um sentido moral para a realidade.

Essa é a pedra de roseta para compreender a grande confusão em que nos encontramos. Buscar um sentido moral, um valor basicamente humano, no infinito, é como buscar justiça na gravidade ou felicidade no vento. Pode até funcionar em termos poéticos e alegóricos, mas configura-se um desastre como literariedade. Daí vem as pérolas que ouvimos em cultos televisivos, de como Deus está feliz, bravo ou, a minha preferida, decepcionado com alguém (alem d´Ele não ser onisciente, configura-Se como um péssimo avaliador de caráter).

Aqueles que buscam o fazem por sentir a realidade como manifestação de uma Inteligência una que se expressa como beleza e harmonia, na Criação atemporal e dinâmica. Quaisquer reflexos de atividade humana no céu são absolutamente fantasiosos e servem apenas para alimentar o ego do observador.

Retornando a questão apresentada no post carma e linearidade, e tendo clara a natureza absolutamente especulativa do que digo, vejo o carma como um maravilhoso instrumento de harmonia e perfeição. Mas de forma alguma como um elemento moral.

Se a realidade é uma só, um único continuum, devemos esperar que suas leis sejam coerentes. E a maior delas é a necessidade de equilíbrio. Isso ocorre na matéria. A relatividade nos diz que uma massa de alguma forma distorce o espaço-tempo ao seu redor. Outra massa, posta em seu raio de ação responderá, atraindo reciprocamente a massa original até que ambas estejam em um estado de equilíbrio dinâmico. Psicologicamente, os mecanismos de reação do individuo a estímulos externos, sendo a satisfação o estado de equilíbrio desejado, são bastante conhecidos. E espiritualmente as tendências na relação recíproca do indivíduo com o ambiente são a efetivação dessa lei do equilíbrio através do carma. Um processo que atrai as condições necessárias para que a consciência atinja a Harmonia. Não é um processo moral. Não é causa e feito de suas ações a outrem. Não há prêmio ou castigo. E só aquilo que você precisa para Ser.

E para aqueles que se aferram a uma realidade necessariamente moral, lembramos que não é um código externo que conduz o homem à virtude, mas sua capacidade de colocar-se no lugar do outro. Esse é o único valor absoluto. Um comportamento moral derivado de um deus moral é quase sempre frágil e questionável.

Além do que aquilo que entendemos por deus é só uma possibilidade.

Aliás, nós também somos.

Abraço.

Andrei Puntel

Posted in Epistemologia | Etiquetado: | 7 Comments »

Carma e Linearidade

Posted by Andrei Puntel em novembro 25, 2008

Um dos problemas centrais na busca espiritualista é a conciliação entre a crença intuitiva em uma Criação perfeita e o oceano de dúvida e dor que existe em nossa realidade cotidiana. Filosoficamente isso resulta em dezenas de especulações e interpretações que chegam até mesmo a negar a relação direta entre Criador e Criação (supondo que exista tal diferenciação) através de um personagem intermediário, o demiurgo gnóstico, que teria gerado o mundo corrupto que observamos.

Outra maneira de tentar conciliar essas percepções opostas é a concepção de um processo de causa e efeito tão natural e impessoal quanto a gravidade, que ajusta essas realidades aparentemente díspares. Enquanto a tradição ocidental, de raízes egípcias, fala em um julgamento final da alma humana, o oriente imagina um processo dinâmico e cotidiano, que dispensa júri e juiz (embora algumas linhas, como a teosofia, citem a figura dos Senhores do carma, essa personificação da lei não é a mais comum, mantendo seu caráter natural).

O quanto desse conceito é útil e o quanto é apenas uma fantasia egóica? Dando um passo atrás, pensemos a reencarnação e veremos o mesmo comportamento. De uma hipótese sistêmica muito interessante, ela passa a ser uma simples maneira de afagar o ego. Quantas princesas e generais não se redescobrem em centros espíritas e terapias de vidas passadas? Nunca a humanidade foi tão nobre quanto em suas pretensões…

Em sua interpretação tradicional, todo o mecanismo reencarnatório/cármico é tradicionalmente respaldado por um interpretação linear do tempo. Mas essa interpretação faz sentido de um ponto de vista do Self (vamos chamar assim uma possível dimensão maior do Ser) ou é apenas um ponto de vista raso do ego? A argentina Zulma Reyo, em seu livro Karma e Sexualidade faz uma representação interessante entre o que ela chama de tempo linear e o tempo concêntrico, a realidade vivida pelo Self. Ela considera a existência egóica, linear, como uma experiência do Self projetado na tridimensionalidade, a partir de condições absolutamente aleatórias. O mecanismo cármico existe apenas como elemento de aprendizagem dentro dessa única existência linear, não atuando como elemento de ajuste entre consecutivas experiências lineares. Do ponto de vista de uma Criação una, essa visão é absolutamente harmônica. Mas do ponto de vista do ego individualizado, a perspectiva de uma vida iniciada em condições aleatórias não difere em nada de uma visão absolutamente materialista.

A autora também define como elemento chave para entender o processo cármico aquilo que chamamos de forma-pensamento. É através dessas estruturas mentais/emocionais geradas e mantidas por nossos pensamentos e ações que se dá a atração das condições externas que caracterizam a relação de causa e efeito. E essas formas-pensamento seriam visíveis a médiuns treinados como aderências no campo causal. É praticamente a mesma interpretação, dita em termos atuais, do processo cármico tal como compreendido no Jainismo, uma das religiões mais antigas da India. Os janistas crêem que o carma é uma substância que se adere à alma, e essa quantidade e qualidade de substância aderida que define as condições atuais da vida do individuo. Essa substância pode ser eliminada através de jejuns e meditações.

Fica então a questão. É possível conciliar reencarnação, causa e efeito e uma existência não linear?

Posted in Epistemologia | Etiquetado: , , , | 30 Comments »

Tudo é mito

Posted by Lúcio em novembro 19, 2008

Mitos são uma expressão das estruturas cognitivas fundamentais que usamos para apreender e moldar a nossa experiência do mundo – ou, o que dá no mesmo, para construir a nossa percepção da realidade. Kant chamou essas estruturas de “categorias apriorísticas do conhecimento” e Jung denominou-as de estruturas arquetípicas (que não devem ser confundidas com o arquétipo em si, que é outra coisa, mais próxima da Ding an sich kantiana).

A psicologia cognitiva e as neurociências vêm de demonstrar as bases neurobiológicas dessas estruturas, que estão enraizadas em nossos esquemas corporais. Embora a atualização concreta das estruturas arquetípicas dependa do contexto social, histórico e cultural, as estruturas propriamente ditas são inatas e universais.

Nas mitologias tradicionais, as estruturas arquetípicas são personificadas sob a forma de deuses e heróis, cujos feitos representam (de forma simbólica e/ou alegórica) as interações dessas estruturas entre si, com a consciência individual e com o mundo. Mas qualquer tradução das estruturas cognitivas fundamentais sob uma forma narrativa pode ser considerada um mito. Uma vez que toda a nossa experiência da realidade é necessariamente mediada por nossas estruturas cognitivas  e que o processo cognitivo elementar da nossa mente, da qual todos os outros derivam, é a organização da experiência sob a forma de narrativa, é fácil concluir pela ubiquidade do mito. Do Gênesis ao Apocalipse, da Odisséia de Homero ao Ulysses de Joyce, dos romances de Sidney Sheldon às narrativas abstratas da ciência – tudo é mito. Como poderia ser de outra forma? olhamos com os olhos que temos, com estes olhos que a terra há de comer.

Posted in Epistemologia, Mito, Psicologia | 23 Comments »

Deus, de novo (Once more, with feeling)

Posted by Lúcio em outubro 31, 2008

 

Quando você afirma que Deus existe, o que você quer dizer com “Deus” e o que entende por “existir”?

Quando você afirma que Deus não existe, o que você entende por “Deus” e o que quer dizer com “não existir”?

Não é uma filigrana semântica sem importância. Como se pode afirmar ou negar alguma coisa quando não se sabe o que está sendo afirmado ou negado?

Continue lendo »

Posted in Epistemologia, Filosofia, Religião | 31 Comments »