Anoitan

“Se sempre há um amanhã, sempre há um anoitã.”

Archive for outubro \27\UTC 2013

Corrida contra o tempo

Posted by Sem em outubro 27, 2013

Estamos a dois dias de completar o quarto ano de nascimento do Marco Civil da Internet, que é uma iniciativa legislativa para regular o uso da Internet no Brasil, por meio da previsão de princípios, garantias, direitos e deveres de quem usa a rede, e da determinação de diretrizes para a atuação do Estado.

Desde que chegou ao Congresso Nacional, em 2011, o Marco Civil da Internet nunca foi votado. No âmbito da comissão especial e no plenário da Câmara dos Deputados, a votação do projeto já foi adiada por oito vezes.

Porém, após denúncias de espionagem no caso Edward Snowden, da parte do governo americano ao governo brasileiro, e a empresas nacionais como a Petrobras, Embraer e Embrapa, a presidente Dilma Roussef, no dia 11 de setembro
de 2013, assinou e mandou publicar no Diário Oficial da União a mensagem de urgência para a sua votação.

A partir da publicação deste ato no Diário Oficial da Câmara dos Deputados, o Marco Civil deverá ser apreciado na casa, obrigatoriamente, nos próximos 45 dias e, em seguida, enviado ao Senado para ser apreciado por igual período naquela casa.

Terça-feira, 29 de outubro, acaba o prazo para a apreciação do Marco Civil na Câmara dos Deputados, justo no dia do seu aniversário, e a sociedade brasileira não deve ficar alheia do que acontece em Brasília.

Informe-se a respeito – boas fontes aqui, aqui e aqui. Assista aos vídeos, assine a petição, discuta o Marco Civil com amigos, pressione aos congressistas, posicione-se!

 

 

 

o sonho é a partida; a realidade é o fim

internet brain

a vitória é da vida; a derrota é da ilusão

 

 

 

 

Agora!

 

Estamos próximos do ponto de partida: – Qual é a vida que você quer?

A largada será no ponto de chegada: – Qual é o mundo que você sonha?

Vence quem chegar primeiro, mas ninguém chega antes de cumprir o sonho.

Vence quem sonhar mais alto, mas nada se sonha do que o Sonho não queira.

 

 

Estamos próximos e vivendo de nossas ações: – O que você está fazendo

agora?

 

 

 

Posted in Anarquismo e Política, Poemas, Sociedade | Etiquetado: | Leave a Comment »

O Belo e A Consolação

Posted by Sem em outubro 23, 2013

A Política e Os Mistérios

 

Lao-tzu disse, (cap. 4):

A sabedoria nada tem a ver com governar os outros, mas é uma questão de ordenar-se a si mesmo.

 

A memória humana é algo traiçoeira, invariavelmente guardamos o que gostaríamos tivesse nos acontecido e nem sempre o necessário para nos relembrarmos o mais aproximado dos fatos… Digo isto porque estou tentando me lembrar, e sem sucesso, quem era a cientista que me marcou profundamente num certo documentário que assisti há anos no National Geographic (ou talvez tenha sido no Discovery). A cientista em questão trabalhava em um campo de pesquisa na África, observando e catalogando populações de gorilas (foi o que guardei, mas pode ser que tenham sido populações de chimpanzés). O que me interessou vivamente nesse documentário foi ela ter dito, após longa e estudiosa observação de gerações de “gorilas”, de que a felicidade de um bando dependia diretamente do temperamento do líder daquele grupo. Se o macho dominante no bando tinha um temperamento violento e era agressivo, o bando invariavelmente sentia-se sempre acuado e vivia com medo, se perverso, os jovens se comportavam de modo mais maldoso que o “normal”, e as fêmeas idem, se o líder era gentil, a benevolência era estimulada e imperava naquele grupo… Apesar de cada animal manter ainda a sua personalidade distinta, o espírito do grupo era influenciado diretamente por seu líder e se vivia, melhor e mais, ou pior e menos, em decorrência disso…

Por que estou relembrando isso agora? Sincronicidades entre o que tenho lido, vivido, assistido, participado…

 

Lao-tzu disse (cap. 159):

Há fatores constantes na arte de governar nações, mas a base está em beneficiar o povo.
Recitar os livros dos reis antigos não é tão bom quanto ouvir suas palavras, e escutar suas palavras não é tão bom quanto compreender aquilo de que eles falavam. Os que alcançam aquilo de que eles falavam descobrem que as palavras não podem expressá-lo. Por isso o Tao de que se pode falar não é o Tao eterno, e um termo que pode ser designado não é um nome permanente.

 

Não. Não quero sustentar aqui a tese de que a felicidade humana dependa exclusivamente de nossos líderes… E em parte não é assim para nós humanos porque sustentamos sociedades mais complexas que nossos parentes primatas mais próximos, além do que nós individualmente comportamos transcendências, porém, na parte que tange à nossa biologia, e na qual nunca deixaremos de ser os animais que somos, é uma questão a ser sempre reflexionada…

 

Lao-tzu disse (cap. 160):

Como é que o mundo poderia ter leis fixas e permanentes? Enfrente os tempos adequadamente, descubra padrões humanitários razoáveis, entre em sintonia com o céu e a terra, e compreenda os fantasmas e espíritos; assim será possível governar corretamente.

 

E a nossa sociedade, humana e global, está vivendo num momento bastante delicado e perigoso, entre o flutuar da nossa sensação de insegurança e infelicidade, em que estamos muito mal servidos de lideranças mundiais…

No Brasil estamos vivendo numa crise de representação, literalmente, numa crise de re-pre-sen-ta-ção. Nossos governantes têm se comportado de modo ainda mais truculento e indiferente com o povo do que o usual, isto é, eles nem se esforçam mais por disfarçar a tão boa (ou má) aclamada fama do brasileiro em ser cordial…

Nossos governantes têm confundindo o exercício crítico da cidadania com desordem social. E o grosso da grande mídia concessionada comprou essa ideia e tem seguido a essas “lideranças”, ou, não sei bem quem segue a quem, já que neste aspecto muitos dos “concessionados” são políticos, com interesses na política, direta e/ou indiretamente…

Para a intranquilidade do povo brasileiro, o que grassa em nosso meio político é a corrupção, a mentira deslavada, a intriga e o costumeiro jogo sujo da busca do poder pelo poder… Portanto, seguindo o estudo antropológico com primatas, é “natural” que muitos brasileiros achem normal, mas sem admiti-lo publicamente, seguir o exemplo desses líderes: roubar para ter o que se quer; mentir para permanecer impune; comportar-se de modo truculento para intimidar e constranger seus adversários; se necessário prender, se possível torturar, até matar se for o caso (como na UPP da Rocinha, em pleno Rio de 2013, no emblemático caso do ajudante de pedreiro Amarildo)…

 

Lao-tzu disse (cap. 168):

O Tao das nações é que os governantes não devem dar ordens cruéis, os funcionários não devem criar trâmites burocráticos complicados, as pessoas cultas não devem comportar-se desonestamente, os artesãos não devem fazer trabalhos decadentes, as funções devem ser delegadas sem agitação, os instrumentos devem ser completos mas não embelezados.
As sociedades caóticas são diferentes. Os que se preocupam com a política pequena elevam-se uns aos outros a posições altas, e os que se preocupam com a etiqueta homenageiam-se uns aos outros com artificialidades. Os veículos são extremamente decorados, os instrumentos são extravagantemente embelezados. Os materialistas lutam pelo que é difícil de obter, considerando que isso é precioso. Os escritores buscam a complexidade e são prolixos, considerando que isso é importante. Por causa da sofisticação, as questões são longamente analisadas sem que se tome qualquer decisão, o que é inútil para a produção da ordem e, ao contrário, gera mais confusão. Os artesãos produzem curiosidades, gastando anos para completar objetos que nem sequer são úteis.

 

Estou lendo Wen-tzu – A Compreensão dos Mistérios, todas as citações em destaque deste texto vêm deste livro. São ensinamentos de Lao-tzu (ou Lao Tsé, o fundador mítico do taoísmo e o atribuído autor do Tao-te King).

O momento histórico em que este livro foi escrito (século 8 a.C., aproximadamente) descreve um momento com perturbadoras semelhanças e paralelos ao nosso, em que uma sociedade decadente entra em crise e vive momentos de incertezas, em que os governantes perderam suas raízes de contato com o Tao.

 

Lao-tzu disse (cap. 156):

Em matéria de aprendizado, se você puder compreender a divisão entre o celestial e o humano, penetrar as raízes da ordem e do caos, manter essa consciência através da clarificação da mente e da purificação da atenção, ver o final e o começo e retornar para a não-coisificação aberta, isso pode ser chamado de vitória.

 

Já o mistério da identidade da cientista, lá no começo em que citei-a, abordando o documentário de minha memória falha, é na verdade uma questão muito simples, se o objeto de estudo da cientista foram os gorilas, o documentário foi a respeito da zoóloga americana Dian Fossey, se chimpanzés, foi com a etóloga inglesa Jane Goodall.

Embora ambas sejam mulheres incríveis, cada uma a seu modo, temperamento e circunstância – e elas guardam mesmo muitas semelhanças ideológicas entre si, a americana teve um desfecho trágico nas montanhas de Ruanda, o lugar em que por 20 anos viveu e trabalhou. Dian Fossey foi assassinada em 1985, após denunciar a caça ilegal de gorilas naquela região. Poucos anos após a sua morte foi feito um filme, um tanto hollywoodiano, contando a sua trajetória de vida, chamado Nas Montanhas dos Gorilas, tendo a atriz Sigourney Weaver representando o seu papel. Embora não seja um mau filme, penso que é o caso em que a vida superou – em muito, em beleza e verdade – a ficção…

 

Lao-tzu disse (cap. 11):

Quando o céu alcança suas alturas e a terra alcança suas profundezas, quando o sol e a lua brilham, quando as estrelas piscam e o yin e o yang se harmonizam, não há nenhum artifício em nada disso. Percorra o caminho correto e as coisas serão espontaneamente naturais.

 

Quanto a Jane Goodall, após assistir ao vídeo que posto a seguir, que vim a descobrir recentemente e no qual ela é entrevistada pelo jornalista holandês Wim Kayzer, para um programa da televisão holandesa de 2001, descobri que é uma das mulheres mais maravilhosas e sábias de que tenho notícia, no verdadeiro sentido taoísta de sabedoria… Perto dela me sinto pequena e com muito a aprender para me tornar num ser humano melhor, porém, estranhamente feliz… Para mim a sua descrição de vida é a verdadeira prática da espiritualidade humana mais elevada que consigo conceber…

Assista a entrevista e tire suas próprias conclusões…
Eu por mim concluo redondo retornando ao começo:

 

A sabedoria nada tem a ver com governar os outros, mas é uma questão de ordenar-se a si mesmo. (Lao-tzu)

 

 

E Viva o Anarquismo!

Liberdade aos presos políticos!

 

 

JANE GOODALL – O BELO E A CONSOLAÇÃO:

 

Posted in A Experiência Mística, Anarquismo e Política, Taoísmo, Vídeos | 5 Comments »

A Ave de Athena

Posted by Sem em outubro 14, 2013

A alma abre-se a si própria

como se abre um lótus

de inúmeras pétalas

Kahlil Gibran

 

Gutemberg Ostemberg
 

 

Símbolos Sabeus: Plutão está próximo de concluir 1/3 de sua jornada pela constelação do signo de capricórnio e a imagem que o grau sabiano nos revela é de uma paisagem noturna, em que um homem, de braços abertos, carrega uma coruja em cada mão. Não distante, uma terceira coruja empoleirada no alto de uma árvore, num giro de 360°, a tudo observa:
 

                                                               corujas

 

                                                                                                                                              homem

 

                                                                                             árvore

 

                a lua

 

                                                                             o vento invisível

 

Quando saí de mim,

quando nasci para o mundo,

vi tanta injustiça no mundo, mas, também, tanta beleza

 

Eu vi, eu ouvi, eu senti,

eu assisti,

depois falei, e participei,

e me esqueci de mim, e de meus planos egoístas

 

Eu produzi manifestos,

alguns óbvios, outros contestáveis,

grandes e pequenos vômitos de repúdio ou rasgos de esperança;

eu fiz poemas, eu fiz proezas,

entre aleluias de dor e de ira, também entre prazer e euforia;

e embalado por sons,

em meio a estampidos, gritos, sussurros, gemidos,

manifestei toda minha indignação e minha revolta,

e também a minha louca vontade de estar

entre amigos

 

E todos fomos despertados por uma luz, por uma chama,

atendendo ao chamado da coruja

 

u u u u u u u u

à luz da lua

 

Vê se escuta, que a chama da liberdade se faz ouvir como num hino;

vê se enxerga, que o brilho com que a luz da inteligência salta e gira, e se descobre

como o olho da coruja que sabe, porque enxerga até no escuro,

o caminho, a verdade, a vida

 

Nenhum convite, nenhum sufoco, nenhum protesto,

uma música sequer, nenhuma,

nenhum estado de concentração ou disposição de abertura,

pode se comparar ao som do coração que bate

quando escuta

 

Black blocs nas cidades maravilhosas que lutam, chamando,

caminhando, cantando, enxameando,

incitando,

anarquismo na veia

 

PODER \o/

                PODER \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/

PODER \o/

                \o/ PODER \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/

PODER PARA O POVO \o/

                \o/  \o/ PODER PARA O POVO \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ 

PODER PARA O POVO \o/

                \o/ \o/ \o/ PODER \o/ \o/ \o/ PARA O POVO \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ 

E O PODER DO POVO \o/

                \o/ \o/ \o/ \o/ E O PODER \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ DO POVO \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/

E O PODER DO POVO \o/

                \o/ \o/ \o/ \o/  \o/ \o/ \o/ \o/ \o/  \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ E O PODER DO POVO \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/

VAI FAZER O MUNDO NOVO \o/

                \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ VAI FAZER \o/ \o/ \o/ O MUNDO \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/

\o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/\o/ \o/ \o/ \o/ \o/ NOVO \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/ \o/

 

Aos ouvidos de Plutão, deliciados, dois mil anos se passaram,

como passado um dia humano

 

Mas nem o esquecido deus pagão sabia, após vinte séculos rolados, quanta falta lhe fazia

a canção do mundo

 

O som que a alma faz quando se abre em mil folhas,

e asas batem,

e voam

 

Agora Povo cuidado

para onde vai;

o que pede;

Ele ouve

 

Nada pessoal nessa hora

 

Dizem,

que um pedido ao deus impiedoso,

quando ele quer destruir alguém, atende ao pedido

 

Nada pessoal nessa hora,

somente ao coletivo

é seguro

 

E qual é a ave símbolo do professor?

 

 

1 milhão nas ruas pela Educação no Ato Nacional do dia 15 de outubro

Dia do Professor

1381887_302492226556280_1245450751_n

TODOS JUNTOS!

TODOS DE PRETO!

TODOS DE LUTO PELA EDUCAÇÃO!

 

 

Posted in Anarquismo e Política, Poemas | Etiquetado: , | Leave a Comment »