Anoitan

“Se sempre há um amanhã, sempre há um anoitã.”

A Necessidade de Se Mudar a Forma de Pensar

Posted by Filipe Wels em setembro 17, 2012

Anteriormente, escrevi sobre os memes e o inconsciente- sobre como nosso insconsciente serve de receptáculo para a transmissão de padrões cognitivos que filtram nossa percepção da realidade, determinando nossa conduta e reduzindo em muito o poder de escolha. Hoje quero falar novamente sobre o mesmo assunto, mas com outro enfoque.

Sabemos que formamos nossas crenças a partir de padrões de pensamento que são transmitidos por gerações (de maneira vertical- a criança é condicionada a ter a religião, a posição política e o time de futebol dos pais) ou de forma horizontal ( cópia de hábitos, valores e ideologias que estão com maior aceitação no momento) que condicionam nosso poder de escolha. Damos por certas muitas coisas que não são verdeiras- porque uma sociedade nos treinou, nos condicionou a aceitá-las como tal. Uma quantidade imensa do que damos como verdadeiro – e é compartilhado pela extrema maioria de pessoas- cai como um castelo de cartas quando lhes colocamos uma interrogação, um porquê. Muito do que julgamos como ponto pacifíco há anos e sequer ponderamos a respeito se revela uma bobagem sem tamanho quando agimos como advogado de acusação contra isso.

Nossas crenças e opiniões determinam as nossas escolhas, que se cristalizam em nossos hábitos. Por exemplo, você é condicionado a crer que determinada pessoa é superior ou inferior a você seja pelo gênero, idade, cor da pele ou condição econômica. Esse condicionamento fará com que você forme um juízo de valor sobre tal pessoa mesmo sem saber absolutamente nada sobre ela, influindo na forma com que a trata. Uma crença determinou sua atitude – e a atitude repetida forma o hábito. Somar o conjunto de crenças que nos influencia nos leva a perceber o quanto elas determinam o que comemos, como que vestimos, em quem votamos, como nos relacionamentos com os demais e com nós mesmos em praticamente tudo- e portanto, determinarão nosso futuro. Refletem-se em tudo, até em nosso modo de andar. Se você ocupa pouco espaço quando caminha, andando com os pés muito próximos um do outro, isso significa “não notem que eu existo, quero ocupar o mínimo espaço possível pra não incomodar ninguém “, revelando uma crença- inconsciente- de que é inferior aos demais. É possível dizer se determinada pessoa é introvertida pela forma como cruza os braços.

Daí a importância de ter um forte exame crítico com seus próprios hábitos – e não apenas as crenças em si, como disse antes- pois eles nos revelam nossas crenças, muitas das quais são inconscientes. Aquilo que acreditamos conscientemente também deve ser alvo de forte questionamento – principalmente quanto maior o grau de certeza que mantemos. Qual é a atitude comum que alguém tem quando uma idéia à qual está apegado recebe uma crítica externa? Ao invés de procurarmos analisar o argumento de quem a critica para ver se há algum grau de verdade, dizer ” inicialmente eu discordo completamente do que você diz, mas esponha sua opinião e os motivos que o levaram a chegar a tal conclusão que vou ponderar a respeito – e talvez você tenha uma certa razão, que possa me levar a mudar de idéia” imediatamente procuramos rebater o argumento contrário. Qualquer ataque contra nossas queridas idéias é , em vez de ser analisado e compreendido, rebatido de maneira automática, mecânica. Nos apegamos a elas por um motivo muito simples- como determinam nossas hábitos, aceitar que estamos equivocados nos leva a pensar que estamos vivendo de forma equivocada, o que é dolorido. Aceitar que estamos errados em algo que sustentamos há 1 ou 2 anos é simples. Quando são 15, 20 anos é muito mais difícil. Elas se cristalizam, e se não temos a postura que defendo como essencial- utilizar qualquer crítica ou acontecimento externo para questionar a visão que temos da realidade, procurar ler o que fala contra o que defendemos e não o contrário (é comum a leitura de artigos ou livros que compartilham e reforçam o nosso ponto de vista, quando o ideal é o contrário) à medida em que o tempo passa, nossa mentalidade passa a ser cada vez mais dogmatica, reativa e menos aberta à novas idéias . Convencer a um senhor de idade que determina certeza absoluta a qual se apega com tanto carinho desde a adolescência é completamente absurda é muito mais difícil do que com um jovem. Por isso a necessidade desse auto-exame contínuo.

Os amantes das certezas absolutas agem dessa forma porque tais conviccções dão um chão seguro para pisar. É a busca por ter as idéias ordenadas intelectualmente de maneira que diminua os riscos e cria uma situação confortável, o que é profundamente limitante. É o mesmo motivo pelo qual jovens de 25 anos ainda moram com os pais, ou que deixamos de ir conhecer uma pessoa interessante que vemos num shopping ou no ônibus – quando faze-lo poderia levar uma nova amizade ou quem sabe até a um casamento. Exposição, ousadia e não ter medo de assumir riscos são fatores fundamentais tanto em nossa relações profissionais e pessoais quanto no que se trata de alterar sua visão de mundo. A prisão em zonas de conforto torna o homem estático, e acaba se confortando com a hipótese esdruxúla de que com a idade vem a sabedoria ( que é o mesmo que acreditar que basta frequentar uma academia e ficar parado numa cadeira vendo os outros se exercitarem que seus músculos se desenvolverão) que , quando na verdade o que vem é uma mente decrépita ao menos que você não tenha medo de ser o maior inimigo de sua forma de pensar.

Resumindo o que foi dito até aqui: nós consumimos sem saber um conjunto de crenças que determina nossa maneira de agir, o que se cristaliza em nossos hábitos que é o que determirá o nosso destino – se há algum destino traçado nas estrelas que pode ser previsto por um mapa astral, não sei, mas há um destino que é determinado por nossos crenças, sendo a maioria delas inconsciente. Por isso é necessário um comportamento crítico com a sua forma de pensar ( ao invés de sair em sua defesa sempre, que é a atitude mais comum ) e usar as adversidades do cotidiano para usar as emoções que elas nos provocam para fazer um exame instrospectivo e constante de si, já que as emoções são portas de entrada para o inconsciente ( daí a importância de descobrir a si mesmo através da auto-crítica). Claro que isso leva a desconforto e insegurança, mas o desenvolvimento do homem so é possível quando se aprende a viver perigosamente, saindo da zona de conforto , ousadando e não temendo situações de risco. Falta ainda falar sobre como isso altera às pessoas em volta.

É comum pensar que eu posso fazer o que bem entender da minha vida- se cumprir as leis e não fizer mal a ninguém, posso fazer o que quiser de mim que não farei mal a ninguém porque atitudes de nossa vida privada não afetam a outrem. E isso é um erro. Tudo o que você faz afeta aos demais de alguma maneira.
Crenças criam atitudes. Atitudes criam hábitos. Um conjunto de hábitos em comum de várias pessoas em determinado espaço social criam uma cultura. Uma cultura se irradia por si mesma, ela tem o poder de se multiplicar pelos motivos que já foram abordados aqui. Portanto, se você tem um comportamento destrutivo para você mesmo -falta de cuidado com a saúde, ganância,preguiça,entre tantos outros- que aparentemente “não fazem mal a ninguém” , você está imeditamente contribuindo para a formação de uma cultura. Não faltam exemplos de que não existem escolhas puramente individuais.

Uma das consequencias de praticar o que escrevi aqui é conhecer a si mesmo- e consequentemente dos demais, porque quem conhece sua psique também conhece a dos outros. Isso leva a mudança radical em hábitos, que são substituídos por outros melhores e mais saudáveis, o que influencia de forma positiva aos demais. Por isso é tão importante mudar sua forma de pensar. Quer queira ou não, você sempre está contribuindo para mudar o mundo, para pior ou para melhorar. O desenvolvimento de cada um é determinamente no desenvolvimento do meio em que vivemos – e por isso a crença de que revoluções armadas ou mesmo que as pessoas “aprendam a votar” vao transformar nossa sociedade são ingênuas . Nossa responsabilidade com nós mesmos anda de mãos dadas com nossa responsabilidade com os demais.

Anúncios

6 Respostas to “A Necessidade de Se Mudar a Forma de Pensar”

  1. adi said

    привет филипе,

    Iehhh!! enfim o texto saiu, muito bom por sinal, parabéns Filipe. Ai que saudade, novos ares aqui no Anoitan, tudo de bom.

    Quanto ao texto eu diria aquela velha frase do Marx “tudo que é sólido desmancha no ar”, e deveria ser em relação a nossas atitudes, nossa maneira de pensar e ser, como contracultura até… e acho, essa é a parte mais difícil do caminho. Quebrar nossos próprios paradigmas, se abrir ao novo não é fácil mesmo.

    Me parece que nós usamos de nossas convicções como defesa ou escudo mesmo, de ficar na zona de conforto do conhecido, muito embora, mesmo que sendo “conservadores”, o ritmo ou algumas situações externas da própria vida ou realidade que nos cerca, nos impelem a mudança, ao movimento, mesmo que nesse caso ela seja dolorida… é assim que acontece: “ou vamos por bem ou vamos por mal”, rs.

    De fato tudo é impermanente, e a principal reforma é a interior. Numa pequena escala cada um tem a sua função nesse grande organismo.

    Abs,

    пока

  2. Filipe Wels said

    Mas o próximo ainda vai demorar, Adi!

    Bjs

  3. adi said

    Oi Filipe,

    Não tem problema, se vier outro material assim vai valer a pena esperar. 🙂

    Bjs

  4. carlos said

    admito um vetor com sentido direção e modulo para o foco do texto relativo a sona de conforto, porem para mim todas as pessoas em um momento ou outro da vida serão obrigadas a aumentar ou diminuir esse vetor para determinar o uma ação, isso posto e logico que em menor ou maior modulo cada um usa o vetor (sona de conforto) podendo ate mudar o sentido em situações estremas, com base de que a natureza humana e maleável ou inexistente.

  5. Ótimo texto Filipe. Parabéns.
    Só recomendo que faça uma revisão, pois há muitos erros de digitação. Também é recomendável ter cuidado com a questão Idade e Sabedoria. É fato que a primeira, por si só, não é suficiente para a segunda. Mas é necessária.

    Marcus Valerio XR
    xr.pro.br

  6. Ana Calori said

    Felipe também tenho esse pensamento desde muito nova… essa necessidade se faz necessária principalmente a partir do momento em que se tem a responsabilidade de educar….a mulher precisa correr contra o tempo….e mudar a forma de pensar todos os dias e condicionar os pensamentos a pensar e não a seguir crenças, padrões.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: