Anoitan

“Se sempre há um amanhã, sempre há um anoitã.”

STAND BY ME

Posted by adi em fevereiro 13, 2010

Eu recebi isso de uma grande amiga, que recebeu de uma grande amiga… e trouxe aqui para meus amigos também.

Vamos mudar o mundo também?  Pelo abraço, pelo sorriso, por usar o sapato do outro, pelo respeito, por olhar para dentro e encontrar a paz que queremos ver REFLETIDA no mundão aí fora, por levar essa paz ao seu ambiente no olhar, pelo amor a si mesmo e a inclusão do outro – qualquer outro sem restrições…

A pior sensação do mundo é ser discriminado – porque somos negros, porque somos brancos, porque somos das colonias, porque somos mestiços, porque somos pobres, porque somos ricos, porque somos classe média, porque não falamos mais do que uma língua, porque falamos mais do que uma língua, porque temos criatividade, porque não temos qualquer tipo de capacidade criativa, porque somos hiperativos, porque estamos num tempo de preguiça, porque somos acelerados, porque somos lerdos, porque somos jovens, porque não somos mais tão jovens, porque somos cristãos, porque somos muçulmanos, porque temos alguma fé, porque não temos fé alguma…

Anúncios

Uma resposta to “STAND BY ME”

  1. Sem said

    Oi Adi,

    Esse teu post aqui me lembra aquela campanha pelo abraço: Free Hugs. Uma ideia muito bonita, e vc, sinta-se abraçada! =)

    Não lembro, mas acho que foi num livro do Claude Steiner (do “eu estopu ok, você está ok” – ele é admirador do Eric berne), acho que o livro era “Os Papéis que Vievemos na Vida”, li algo semelhante a um jogo do “saquinho de carinhos quentes”… Pois é, algumas pessoas acreditam que o saquinho que carregam contém um número específico de carinhos, e reservam-nos apenas para aquelas pessoas que consideram “especiais”, não querem gastá-los com as outras pessoas “comuns”. Por outro lado lutam e esperam ter só para si os carinhos quentes das pessoas que gostam, quando, na verdade, o jogo do amor é inesgotável, qt mais se dá, mais se tem.

    Como o mar para a poeta Luisa Dacosta:

    “Bebo-o a colherinhas de olhos
    na taça da manhã.
    E nem ele se esgota,
    nem eu me sacio.”

    Vou publicar daqui a pouco um novo post, falando de Internet, essa ferramenta de dar abraços… ou não. :p

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: