Anoitan

“Se sempre há um amanhã, sempre há um anoitã.”

O sexto principio hermetico

Posted by luramos em janeiro 31, 2009

O Principio de Causa e Efeito – A CAUSALIDADE

“Toda Causa tem seu Efeito; todo Efeito tem sua Causa; todas as coisas acontecem de acordo com a Lei; o Acaso é simplesmente um nome dado a uma Lei não reconhecida; existem muitos planos de causalidade, mas nada escapa à Lei.” – O CAIBALION –

O Sexto Grande Princípio hermético – o Princípio de Causa e Efeito – contém a verdade que a Lei domina o Universo, nada acontece por Acaso, que este é simplesmente um termo para indicar a causa existente, porém não reconhecida ou percebida; que os fenômenos são contínuos, sem interrupção ou exceção.

…Um exame cuidadoso mostrará que aquilo que chamamos Acaso é simplesmente um modo de exprimir as causas obscuras; as causas que não podemos compreender…Sempre há uma causa e um porquê para todos os acontecimentos. Nada acontece sem uma causa, ou uma cadeia de causas.

Muita confusão houve nas mentes de pessoas que consideraram este Princípio, porque não eram capazes de explicar como uma coisa poderia causar outra coisa, isto é, ser a criadora da segunda coisa. Com efeito, como matéria, nenhuma coisa pode causar ou criar outra coisa. A Causa e o Efeito são distribuídos simplesmente como eventualidades. Uma eventualidade é aquilo que acontece ou advém, como um resultado ou uma conseqüêncía de diversos eventos procedentes. Nenhum evento cria outro evento, mas é simplesmente um elo precedente na grande cadeia ordenada de eventos procedentes da energia criativa do TODO. Há uma continuidade entre todos os acontecimentos precedentes, conseqüentes e subseqüentes. Há uma relação entre tudo o que veio antes, e tudo o que vem agora…Toda idéia que pensamos, todo ato que fazemos, tem o seu resultado direto ou indireto que se adapta à grande cadeia de Causa e Efeito.

… Não queremos entrar em consideração sobre o Livre-Arbítrio ou o determinismo, nesta obra, por várias razões. Entre as diversas razões, a principal é que nenhum lado da controvérsia é inteiramente verdadeiro; com efeito, ambos os lados são parcialmente verdadeiros, de acordo com os Preceitos herméticos. O Princípio de Polaridade mostra que ambos são Meias-Verdades: pólos opostos da Verdade. Os Preceitos são que o homem pode ser Livre e ao mesmo tempo limitado pela Necessidade, dependendo isto da significação dos termos e elevação da Verdade cuja significação é examinada…

A maioria das pessoas são mais ou menos escravas da hereditariedade, dos que as rodeiam, etc., e manifestam muito pouca Liberdade. São guiadas pelas opiniões, os costumes e as idéias do mundo exterior, e também pelas suas emoções, sensações e condições, etc. Não manifestam domínio algum, digno de nome. Indignamente repudiam esta asserção, dizendo: “Pois eu certamente sou livre para agir e fazer como me apraz; faço justamente o que quero fazer”, mas deviam explicar melhor o quero e o como me, apraz. Que os faz querer fazer uma coisa de preferência a outra; que lhes faz aprazer fazer isto e não aquilo? Não existe por que para a seu prazer e desejo? O Mestre pode mudar estes prazeres e vontades em Outros no lado Oposto do Pólo mental. Ele é capaz de Querer por querer, sem querer por causa das condições, emoções meio, sem tendência ou desejo, sensações ou sugestões. A maioria das pessoas são arrastadas como a pedra que cai, obediente ao meio, às influências exteriores e às condições e desejos internos, não falando dos desejos e das vontades de outros mais fortes que elas, da hereditariedade, da sugestão, que as levam sem resistência da sua parte, sem exercício da Vontade. Movidas, como os peões no jogo de xadrez da vida, elas tomam parte neste e são abandonadas depois que o, jogo terminou. Mas os Mestres, conhecendo a regra do jogo, elevam-se acima do plano da vida material, e colocando-se em relação com as mais elevadas forças da sua natureza dominam as suas próprias condições, os caracteres, as qualidades e a polaridade, assim como o meio em que vivem, e deste modo tornam-se Motores em vez de Peões: Causas em vez de Efeitos. Os Mestres não escapam da Causalidade dos planos mais elevados, mas concordam com as leis superiores, e assim dominam as circunstâncias no plano inferior. Eles formam parte consciente da Lei, sem serem simples instrumentos. Enquanto servem nos Planos Superiores, governam no Plano Material.

Porém, tanto nos superiores como nos inferiores, a Lei está sempre em ação. Não há coisa do Acaso. As deusas cegas foram abolidas pela Razão. Agora podemos ver com olhos esclarecidos pelo conhecimento que tudo é governado pela Lei Universal – o infinito número de leis é simplesmente uma manifestação da única Grande Lei – a LEI que é O TODO. É verdade, contudo, que nem mesmo um pardal fica descuidado à Mente do TODO, assim como os cabelos da nossa cabeça são contados, como disseram as escrituras. Nada há fora da Lei; nada do que acontece é contrário a ela. Contudo, não cometais o erro de supor que, por causa disso, o Homem é simplesmente um cego autômato. Os Preceitos Herméticos ensinam que o Homem pode usar a Lei contra as leis, e que a vontade superior prevalece contra a inferior, até que por fim procure refúgio na própria LEI, e olhe com desprezo as leis inferiores. Sois capaz de compreender a mais íntima significação disto?

selecionado do Caibalion

Anúncios

10 Respostas to “O sexto principio hermetico”

  1. […] é simplesmente um elo precedente na grande cadeia ordenada de eventos … Veja o post completo clicando aqui. Post indexado de: […]

  2. sem mais said

    Eu não discordo de nada a princípio, estou considerando ainda… só queria dizer que acabei rindo com a origem da palavra “hermético”, vem de Hermes Trimegisto… dã. 🙂
    Obrigada, Lu e amigos, pela oportunidade de aprender.

  3. luramos said

    ninguem sabe com certeza quando o Caibalion foi escrito ou por quem. A primeira publicacao eh de 1908 ou 1912, entao eh possivel haver resquicios iluministas, mas eu sinceramente nao acredito nisso.

    minha versao eh a de que quando comemos a maca (com cedilha), quando nos alimentamos da arvore do conhecimento, quando fomos abencoados por Lucifer, deixamos a irracionalidade e ganhamos a Razao.
    Hah quem diga que naquela altura, Deus nao concedeu ao Homem a Razao porque a Emocao ainda nao estava plenamente desenvolvida. Lucifer com seu poder e rebeldia nos deu a Razao (OBRIGADA!, Lucifer ), mas na nossa imaturidade vivemos o dilema “eh logico e sensato, mas nao sentimos isso”, e nos tornarmos um Mestre ,eh o que nos resta para superar este dilema.

    A maestria – o desenvolvimento pleno da Razao – seria , em tese, quando nos dedicarmos a conhecer, e depois assumirmos o poder de utilizar as leis do Universo (os principios hermeticos) de acordo com nossa Vontade. A maestria eh nao ser escravo da vontade, (influencias do meio, das emocoes e do desejo) e sim o SENHOR dela.

    E enquanto nao nos iluminamos, ascensionamos ou enquanto ainda nao formos Mestres Alquimicos, ou qualquer outro nome, convem ao menos ampliar a consciencia de que temos poder de ser Causa, mas que tambem somos Efeito. Que somos influenciados pelo meio, mas que tambem podemos influenciar, que temos emocoes condicionadas e involuntarias, mas que tambem podemos invocar emocoes desejadas e assim comecar a fazer uso da Lei das causas e efeitos de acordo com a nossa Vontade.

    Assim Seja, Assim Serah!

    (nota da editora…rs
    vontade = pequeno-self
    Vontade= Grande-Self)

  4. Kingmob said

    >mas na nossa imaturidade vivemos o dilema “eh logico e sensato, mas nao sentimos isso”, e nos tornarmos um Mestre ,eh o que nos resta para superar este dilema.

    Esta frase é sua luramos, vc lembra? Tá nos comentários ao post “Equanimidade”.

    Nos tornarnos mestres é o que nos resta, não importa se mestre hermético, mestre Zen, mestre Sufi, ou apenas mestres das nossas próprias vidas.

  5. luramos said

    eh claro que eu lembro,
    mas nest post tah junto com o paragrafo seguinte, nao vale tirar do contexto! Eu tambem disse:
    “E enquanto nao nos iluminamos, ascensionamos ou enquanto ainda nao formos Mestres Alquimicos, ou qualquer outro nome, convem ao menos ampliar a consciencia de que temos poder de ser Causa, mas que tambem somos Efeito”.

    porque eu ainda nao to nem buscando a dissolucao em deus, iluminacao, ascensao or whatever.

    eu sempre estive consciente deste jogo de xadrez…rs

  6. raskom said

    Quanto à questão do livre-arbítrio não abordada pelo Caibalion, já ouvi falar que o mesmo é, na verdade, carma, sendo o destino a nossa libertação. O que parece aconter com a maioria de nós é que os impedimentos (que podem vir de qualquer lugar), bloqueiam a realização do carma, paralisando nossas vidas…
    talvez um começo para conseguirmos mudar esta situação seria prestar mais atenção a todos os nossos atos, principalmente os pequenos atos, já que esses ocorrem com muito mais frequencia!
    Abs!!

  7. Elielson said

    O destino pode ser interrompido pelo livre arbitrio.
    O livre arbitrio pode ser interrompido pelo destino.
    Posso fazer ou desfazer, me destinando a fazer ou desfazer.

    Até que caimos em algum efeito de alguma causa.

  8. Fy said

    Os Preceitos são que o homem pode ser Livre e ao mesmo tempo limitado pela Necessidade, dependendo isto da significação dos termos e elevação da Verdade cuja significação é examinada…

    Excelente parágrafo.

    Outro dia li:

    A Física Quântica questiona as Leis de Causa e Efeito, já que, nos níveis subatômicos e à velocidade da luz, a mesma causa pode produzir efeitos totalmente diferentes.

    Na minha opinião… o único questionamento implica no abandono do paradigma mecanicista em favor do sistêmico, ou seja, qualquer causa produz efeitos “sim”; mas diferentes, dependendo do sistema em que se manifestem.

    O mesmo acontece a nível humano; o homem, suas atitudes, suas escolhas, examinadas a título de “Causas” tb estão sujeitas às verdades e seus termos do sistema do qual faz parte; muito embora possam ter Efeitos extremamente alterados ao se manifestarem e se desenvolverem em sistemas diversos.

    E isto impõe uma baita elasticidade qdo analisamos as questões do livre arbítrio, entre outras.

    Bjs

  9. atoledo said

    O acaso não existe…a lei de causa e efeito não existe..porque a roda do tempo gira, passado e futuro não existem só existe o momento presente! então onde estão causa-efeito-acaso?

  10. adi said

    Olá Atoledo,

    Questão interessante. 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: