Anoitan

“Se sempre há um amanhã, sempre há um anoitã.”

Archive for the ‘Musica’ Category

Beleza

Posted by Sem em março 31, 2012

 

se a beleza tivesse voz
cinco músicos emocionados
sete poemas passarinheiros
se reunisse três continentes
a beleza teria a voz que têm as coisas livres
e faria o som que fazem as coisas livres
quando podem voar, e pousam, assim…

 

As Ilhas dos Açores – Madredeus

 

Posted in Musica | Etiquetado: , , , | Leave a Comment »

Zombie

Posted by adi em fevereiro 25, 2012

Essa moça é linda e super talentosa. Dolores O’Riordan, irlandesa de voz única, com certeza vai encantar você também.

————————————————————————————————-

Zumbi

Outra cabeça se inclina humildemente…
Uma criança é lentamente tomada
E a violência causou tal silêncio
A quem estamos enganando?
Mas veja bem, não é comigo, não é a minha família
Na sua cabeça, na sua cabeça eles estão lutando
Com seus tanques e suas bombas
E seus ossos e suas armas
Na sua cabeça, na sua cabeça, eles estão chorando
Na sua cabeça, na sua cabeça
Zumbi, zumbi, zumbi hey, hey
O que há na sua cabeça? Na sua cabeça…
Zumbi, zumbi, zumbi?
Ei, ei, ei, oh, dou, dou, dou, dou, dou …
Outra mãe está desmoronando
Seu coração é tomado
Quando a violência causa silêncio…
Nós devemos estar enganados
É o mesmo velho tema desde 1916
Na sua cabeça, na sua cabeça eles ainda estão lutando
Com seus tanques e bombas
E seus ossos e suas armas
Na sua cabeça, na sua cabeça, eles estão morrendo…
Na sua cabeça, na sua cabeça
Zumbi, zumbi, zumbi
Hey, hey. O que tem na sua cabeça
Na sua cabeça
Zumbi, zumbi, zumbi?
Hey, hey, hey, oh, oh, oh
Oh, oh, oh, oh, hey, oh, ya, ya-a…
———————————————————————————————-

Posted in Musica | 1 Comment »

Música para os nossos ouvidos

Posted by Sem em dezembro 24, 2011

 

 

 

  

  

 

 

 

Divido com os leitores do blog meu último grande achado desse ano. O compositor e músico português Rodrigo Leão, um dos fundadores do grupo Madredeus, aqui no Brasil bastante conhecido, mas, o que eu não conhecia, era a carreira solo deste que hoje já representa pra mim o maior compositor de música contemporânea que temos, e olha que ele divide mundo com Philip Glass e Cia…

 

 

Deixo aqui quatro músicas que vão escondidas nos naipes do baralho de Tarô, logo ali em cima, numa brincadeira com a totalidade dos elementos, que querem evocar a fecundidade tão eclética deste músico, mas que são em verdade apenas apêndices, e sofrivelmente escolhidas a muito custo só estas. Tantas outras músicas lindas ficaram de fora, como “O Fio da Vida” do seu último trabalho “A Montanha Màgica”; e mais antigas, como “À Espera de Sofia” e “Voltar” do disco “O Mundo”; e “A Estrada” do disco “Cinema”; e pra mim a melhor, “Just One Day”, reedição da que preferi trazer aqui, “Sleepless Heart”, a do naipe espadas…

 

 

Não há muito mais o que se dizer em 2011, talvez, apenas…

 

Feliz Natal e 2012 com direito a “Happiness”

(veja/escute em ouros/pentáculos)

 

Posted in Musica | Leave a Comment »

Nada Mais Importa

Posted by adi em setembro 4, 2011

Nada Mais Importa

Tão perto, não importa o quão distante,

Não poderia ser muito mais (distante) do coração.

Eternamente confiando em quem somos

E nada mais importa.

Nunca me abri deste jeito,

A vida é nossa, nós a vivemos do nosso modo

Todas estas palavras, eu não digo apenas (por dizer)

E nada mais importa.

Confiança eu procuro e encontro em você

Cada dia para nós é algo novo.

Mente aberta para uma concepção diferente,

E nada mais importa.

Nunca me importei com o que eles fazem,

Nunca me importei com o que eles sabem,

Mas eu sei.

Tão perto, não importa o quão distante

Não poderia ser muito mais (distante) do coração.

Eternamente confiando no que nós somos

E nada mais importa.

Nunca me importei com o que eles fazem,

Nunca me importei com o que eles sabem,

Mas eu sei.

Nunca me abri deste jeito,

A vida é nossa, nós a vivemos do nosso modo

Todas estas palavras, eu não digo apenas (por dizer)

E nada mais importa.

Confiança eu procuro e encontro em você

Cada dia para nós é algo novo.

Mente aberta para uma concepção diferente,

E nada mais importa.

Nunca me importei com o que eles dizem,

Nunca me importei com os jogos que eles jogam,

Nunca me importei com o que eles fazem,

Nunca me importei com o que eles sabem,

E eu sei, yeah.

Tão perto, não importa o quão distante

Não poderia ser muito mais (distante) do coração.

Eternamente confiando no que nós somos

E nada mais importa.

Posted in Musica, Vídeos | 4 Comments »

O tambor no xamanismo e o efeito do som

Posted by adi em setembro 14, 2010

Um dos principais intrumentos na prática de magia e ritualística dos xamãs é o tambor. Segundo Mircea Elíade, o simbolismo do tambor é complexo e suas funções mágicas são múltiplas. O tambor é indispensável durante o ritual, seja por levar o xamã para o “centro do mundo”, por permitir que ele voe pelos ares, por chamar e aprisionar os espíritos, seja, enfim, porque a tomborilada permite que o xamã se concentre e restabeleça o contato com o mundo espiritual que está prestes a percorrer.

Tanto a caixa quanto a pele do tambor constituem instrumento mágico-religiosos, pois a escolha da madeira/árvore com a qual será fabricada a caixa do tambor depende dos “espíritos”, ou de uma vontade trans-humana. Esse costume da árvore ser escolhida pelos espíritos sugere que a árvore concreta foi transformada pela revelação espiritual e que, na realidade, deixou de ser uma árvore profana e passou a representar a própria Árvore do Mundo. A membrana de pele do tambor dos xamãs siberianos normalmente é de rena, alce ou cavalo e representa o espírito do animal primordial que é a origem de sua tribo, portanto, é seu espírito auxiliar mais poderoso e quando penetra no xamã, este se transforma no animal mítico teriomórfico.

Em diversas tradições, o ancestral mítico teriomórfico vive no mundo subterrâneo, perto da raiz da Árvore Cósmica, cujo topo atinge o céu. Por um lado, o xamã ao tocar seu tambor, voa em direção à Árvore Cósmica, e devido a isso, o tambor contém muitos símbolos ascencionais. Também, devido suas relações místicas com a pele do tambor, o xamã consegue compartilhar da natureza do ancestral teriomórfico, ou seja, consegue abolir o tempo e recuperar a condição original de que falam os mitos.Tanto num caso como no outro, estamos diante de uma experiência mística que permiter ao xamã transcender o tempo e o espaço. A metamorfose em animal ancestral e o êxtase ascensional são expressões diferentes, porém equiparáveis, de uma mesma experiência, a transcendência da condição profana, a recuperação de uma existência paradisíaca perdida no final dos tempos míticos. Leia o resto deste post »

Posted in A Experiência Mística, Arquétipos, ciencia, Musica, Vídeos, Xamanismo | 10 Comments »

Lição de Astronomia

Posted by Sem em março 25, 2010

Dedicado a Sem

que gosta de Rembrandt e

de dissecar com palavras:

.

.

.

.

.

Numa situação confusa, de perturbação, o que fazer?

Por favor, não faça nada. Você criou uma confusão por causa do seu fazer excessivo. Você é um tamanho fazedor, você confundiu tudo à sua volta – não somente para si mesmo, mas para os outros também. Seja um não-fazedor; isso será compaixão para consigo mesmo. Seja compassivo. Não faça nada, porque com a mente falsa, com uma mente confusa, todas as coisas se tornam mais confusas. Com uma mente confusa, é melhor esperar e não fazer nada de forma que a confusão desapareça. Ela desaparecerá; nada é permanente neste mundo. Você só precisa uma profunda paciência. Não seja apressado.

Vou lhe contar uma história. Buda estava viajando através de uma floresta. O dia estava quente. Era exatamente meio-dia e ele sentiu sede; assim, disse para seu discípulo Ananda: “Volte. No caminho, nós atravessamos um pequeno riacho. Volte lá e traga um pouco d’água para mim”.

Ananda voltou, mas o riacho era muito pequeno e algumas carroças estavam atravessando-o. A água estava agitada e tinha ficado suja. Toda a sujeira que estava assentada nele tinha vindo para cima e a água não era potável agora. Assim, Ananda pensou: “Eu tenho que voltar”. Ele voltou e disse para Buda: “Aquela água se tornou absolutamente suja e não está boa para se beber. Permita-me ir à frente. Eu sei que existe um rio a apenas alguns quilômetros de distância daqui. Eu irei e buscarei água para você”.

Buda disse: “Não! Volte ao mesmo riacho”. Como Buda tinha dito isto, Ananda tinha que seguir a ordem. Mas ele a seguiu sem entusiasmo pois sabia que aquela água não podia ser trazida. O tempo estava sendo desnecessariamente perdido! E ele estava com sede, mas como Buda disse para ir, ele tinha que ir.

Novamente ele retornou e disse: “Por que você insiste? A água não está potável”. Buda disse: “Vá novamente”. E como Buda havia dito para voltar, Ananda teve que ir.

A terceira vez que ele chegou no riacho, a água estava tão clara quanto ela sempre esteve. A sujeira tinha ido embora, as folhas mortas tinham ido embora e a água estava pura novamente. Então Ananda riu. Ele trouxe a água e veio dançando. Ele caiu aos pés de Buda e disse: “Seus meios de ensinar são miraculosos. Você me ensinou uma grande lição – que apenas a paciência é necessária e que nada é permanente”.

E este é o ensinamento básico de Buda: nada é permanente, tudo é transitório – assim por que ser tão preocupado? Volte ao mesmo riacho. Então, tudo deve ter mudado. Nada permanece o mesmo. Apenas seja paciente: vá novamente e novamente e novamente. Apenas alguns momentos e as folhas terão ido embora e a sujeira terá se assentado novamente e a água estará pura novamente.

Ananda também perguntou a Buda, quando ele estava voltando pela segunda vez: “Você insiste que eu vá, mas eu não posso fazer alguma coisa para tornar aquela água pura?”.
Buda disse: “Por favor, não faça nada; do contrário você a tornará mais impura. E não entre no riacho. Apenas fique do lado de fora, esperando, na margem. Sua entrada no riacho criará uma confusão. O riacho flui por si mesmo, assim deixe-o fluir”.

Nada é permanente; a vida é um fluxo. Heráclito disse que você não pode pisar duas vezes no mesmo rio. É impossível pisar duas vezes no mesmo rio porque o rio fluiu; tudo mudou. E não somente o rio fluiu, você também fluiu. Você também é diferente; você também é um rio fluindo.

Veja esta impermanência de todas as coisas. Não tenha pressa; não tente fazer nada. Apenas espere! Espere em um total não-fazer. E se você pode esperar, a transformação estará presente. Este próprio esperar é a transformação.

Osho, The book of the Secrets, V3, #38

.

I Ching: Hexagrama 62: Trovão sobre a montanha: A imagem da preponderância do pequeno:

.

O vídeo “O Pálido Ponto Azul”, postado por Luiza, meses atrás, que motivou o título desse post:

.

Posted in ciencia, Cinema, Humor, I Ching, Musica, Textos, Vídeos | 11 Comments »

STAND BY ME

Posted by adi em fevereiro 13, 2010

Eu recebi isso de uma grande amiga, que recebeu de uma grande amiga… e trouxe aqui para meus amigos também.

Vamos mudar o mundo também?  Pelo abraço, pelo sorriso, por usar o sapato do outro, pelo respeito, por olhar para dentro e encontrar a paz que queremos ver REFLETIDA no mundão aí fora, por levar essa paz ao seu ambiente no olhar, pelo amor a si mesmo e a inclusão do outro – qualquer outro sem restrições…

A pior sensação do mundo é ser discriminado – porque somos negros, porque somos brancos, porque somos das colonias, porque somos mestiços, porque somos pobres, porque somos ricos, porque somos classe média, porque não falamos mais do que uma língua, porque falamos mais do que uma língua, porque temos criatividade, porque não temos qualquer tipo de capacidade criativa, porque somos hiperativos, porque estamos num tempo de preguiça, porque somos acelerados, porque somos lerdos, porque somos jovens, porque não somos mais tão jovens, porque somos cristãos, porque somos muçulmanos, porque temos alguma fé, porque não temos fé alguma…

Posted in Amor, Arte, Musica | 1 Comment »

Franco-Atirador

Posted by adi em dezembro 17, 2009

Abaixo os links para os posts do antigo blog Franco-Atirador, do Lúcio Manfredi, os arquivos estão divididos em duas partes, como segue:

http://www.4shared.com/file/oEd_xq4a/Franco_Atirador_Malprg_-_1__1_.htm

http://www.4shared.com/file/eaqYHhvZ/Franco_Atirador_Malprg_2__2_.htm

Posted in A Experiência Mística, alquimia, Amor, Anarquismo e Política, Arquétipos, Arte, Astrologia, Astrologia hermetica, Budismo, Cabala, ciencia, Cinema, Cristianismo, Epistemologia, Filosofia, FRANCO ATIRADOR, Gnosticismo, Hermetismo, Humor, I Ching, Musica, Não-dualidade, Psicologia, Religião, Sufismo, Taoísmo, Uma Palavra de Nossos Patrocinadores, Umbanda, Xamanismo, Zen Budismo | 33 Comments »

Earth Song

Posted by adi em novembro 16, 2009

Posted in Arte, Musica, Uma Palavra de Nossos Patrocinadores | Leave a Comment »

Homenagem a Raulzito

Posted by adi em agosto 22, 2009

Ontem 21 de Agosto, fez vinte anos que um dos maiores musicos do nosso País, Raul Seixas,  morreu. Raul não foi só um músico, foi um artista genial, que inovou com sua obra, abriu cabeças e deixou uma mensagem que ainda hoje é atual. Com certeza ele estava muito a frente de seu tempo.

Um pouquinho dele pra matar a saudade:

Raul Seixas era um garoto muito tímido na infância e na adolescência, e só vivia trancado no quarto lendo e compondo. Seu sonho no inicio era ser um escritor, até o Rock n Roll aparecer em sua vida. Nesse momento, nas telas dos cinemas, encanta-se com o talento de Elvis, de quem torna-se fã – e aponta-lhe o rumo musical: o Rock’n Roll. Sempre gostou também de clássicos do rock dos anos 50 e 60.

  • Raul Seixas desde criança escrevia textos e poesias. Fazia também revistas em quadrinhos para seu irmão (Plínio) a quem vendia. Seu sonho também era ser um escritor.
  • Raul Seixas e Waldir Serrão foram um dos primeiros garotos a terem contato com discos de Rock n Roll no Brasil, na Bahia, por que estava infestada de americanos nos anos 50/60, que se mudavam por questões de trabalho, assim toda a cultura do Rock foi trazida através deles.
  • No final dos anos 60, Raul Seixas teve um encontro com Mick Jagger. Que o incentivou a tocar música africana, pois vendo a música brasileira na raíz, havia percebido que a bossa nova era uma farsa.
  • Raulzito e os Panteras (banda de Raul) acompanhava artistas de pedigree que iam fazer shows na Bahia, entre eles: Roberto Carlos, Jerry Adriani e Wandérleia.
  • Raul Seixas passou nos primeiros lugares no vestibular de Direito, para impressionar a familia de Edith, que seria desde então a sua primeira esposa.
  • No inicio dos anos 70, Raul ao lado de Leno ( Da dupla Leno e Lilian ) gravou um disco chamado “Vida e Obra de Johnny McCartney”, um disco que caso fosse lançado seria uma evolução musical incrível para a época, pois seria um divisor de águas entre a Jovem Guarda e o Rock Nacional, porém pelo forte teor político, ele foi censurado. Raul divide parceria com Leno em 6 faixas do Disco. “Sentado no Arco-Iris”, segundo Leno, foi a primeira letra que Raul tivera realmente orgulho de escrever, lembrando que desde então suas letras eram românticas feitas para a Jovem Guarda.
  • Antes de ser cantor, Raul Seixas atuou como Produtor da CBS, produzia diversos artistas da Jovem Guarda, e compunha para eles também, entre artistas que gravaram suas canções destacam-se: Jerry Adriani, Diana, Leno e Lilian, entre outros.
  • A primeira música assinada por Raul Seixas/Paulo Coelho, “Caroço de Manga”, na verdade foi composta apenas por Raul Seixas, para incentivar o amigo, ele colocou o nome de Paulo Coelho na música, que mais tarde afirmou que aprendeu a escrever graças a linguagem popular que Raul Seixas o ensinara. Outra questão interessante é que os parceiros de composições de Raul Seixas costumavam ser seus amigos e por vezes até suas mulheres, frisando que Raul Seixas era muito generoso em dividir parcerias com todos eles.
  • Raul Seixas no Festival Internacional da Canção, escreveu duas músicas, Let me sing, Let me sing my Rock’n Roll e Eu sou eu, Nicuri é o Diabo, na primeira ele dividiu parceria com sua primeira mulher, para driblar o regulamento, que só exigia que apenas uma música por compositor fosse escrita no concurso.
  • Raul Seixas compôs Metamorfose Ambulante aos 12 anos.
  • A canção Gita, foi inspirada no livro hindu, chamado Baghavad Gita. Raul Seixas afirmou que compôs a música para falar de DEUS, como um “todo”. Leia o resto deste post »

Posted in Amor, Anarquismo e Política, Arte, Musica, Uma Palavra de Nossos Patrocinadores | 10 Comments »

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 45 outros seguidores